Dicionário de Economia – Letra A

Ação: Documento que indica ser seu possuidor o proprietário de uma fração do capital de uma sociedade. Se o capital de uma sociedade deve ser subscrito por várias pessoas, ele é dividido em frações iguais, o que permite a cada uma subscrever segundo suas disponibilidades e sua vontade.

Ação Endossável: Ação que pode ser transferida mediante simples endosso no verso da cautela.

Ação Ordinária: Ação que tem características de conceder a seu titular o direito de voto em assembléia da sociedade.

Ação Preferencial: Ação que dá ao seu possuidor prioridade no recebimento de dividendos, ou em caso de dissolução da empresa, no reembolso do capital. Não dão direito a voto nas assembléias da sociedade.

Agente Econômico: Indivíduos, grupos de indivíduos ou organismos que constituem, do ponto de vista dos movimentos econômicos, os centros de decisão e de ações fundamentais.

Ágio: Importância que o comprador paga a mais sobre o valor nominal de um título.

Ajuste Fiscal: É a tentativa do Governo federal de gastar menos do que arrecada.

Alavancagem: Termo que designa o efeito de melhoria provocado pelo endividamento na rentabilidade do patrimônio líquido de uma empresa.

Amortizações: São pagamentos de dívidas contraídas por empresas brasileiras e pelo próprio Governo junto a instituições financeiras no mercado internacional.

Análise Econômica: Aplicação à realidade econômica do método científico de decomposição em elementos mais facilmente compreensíveis que o todo, visando a inseri-los em um esquema explicativo.

Arbitragem Cambial: É a operação de compra de uma quantidade de moeda local e na venda de outra quantidade de moeda estrangeira, de tal forma que, aplicando-se a paridade entre elas, obtenha-se equivalência.

Atividade Econômica: Conjunto de atos pelos quais as pessoas satisfazem às suas necessidades, através da produção e troca de bens e de serviços.

Ativo: Conjunto de bens e créditos que formam o patrimônio de um sujeito econômico.

Ativos não Financeiros: Compreendem os ativos fixos e os ativos circulantes. Os primeiros participam de vários ciclos de produção, enquanto os últimos são consumidos ou transformados num ciclo específico de produção ou de distribuição.

Aval: Ato pelo qual uma terceira pessoa, distinta do sacado, do sacador e dos endossantes, garante o pagamento de um título na data de seu vencimento.

Dicionário de Economia – Letra B

Bacharel em Ciências Econômicas: É o profissional que exerce as funções de economia e finanças, com formação superior em Ciências Econômicas.

Balança Comercial: É o item mais importante das contas externas. Registra todas as exportações e importações feitas por empresas no Brasil. No início dos anos 90, essa conta registrava consecutivos superávits, ou seja, as exportações superavam as importações. Com a abertura econômica, a balança passou a ter déficits.

Balança de Capital: Conta estatística que recapitula a movimentação do ativo e do passivo, ocorrida entre um país e o resto do mundo, no decurso de um determinado período.

Balanço de Transações Correntes: É o saldo da balança comercial (exportações menos importações) e de serviços como pagamento de juros da dívida externa.

Banco Central do Brasil: É uma autarquia federal criada com a finalidade de fiscalizar as instituições financeiras. Dentre as muitas atribuições importantes do BACEN está o de regulador das políticas monetária e creditícia do Governo, administrar as reservas internacionais e fiscalizar o Sistema Financeiro Nacional.

Banco Mundial: Criado em 1944, o Banco Mundial rege, ao lado do Gatt (que deu origem à Organização Mundial de Comércio), o sistema financeiro internacional.

Banda Cambial: É a banda ou limite determinado pelo Governo para a flutuação do real frente ao dólar. O sistema brasileiro foi adotado em março de 1995.

BBC: Bônus do Banco Central. Papel com taxas prefixadas com prazo mínimo de 28 dias. Os bancos dizem qual a taxa que querem para comprar o papel e o Banco Central aceita ou não. Serve para fazer política monetária.

BID (BANCO INTERAMERICANO DE DESENVOLVIMENTO): É uma instituição internacional, com sede em Washington-EUA, voltada para o auxílio financeiro e o desenvolvimento da infra-estrutura de países emergentes.

Bens e Serviços: Produtos da atividade econômica, elementos constitutivos da produção.

Blue Chip: Ação de grande liquidez e tradição, muito procurada no mercado de ações pelos investidores tradicionais e de grande porte BNDES:

BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL (BNDES): É uma empresa de propriedade integral do governo brasileiro, responsável pela execução de sua política de crédito de longo prazo.

Bolsa de Valores: Associação civil sem fins lucrativos, cujos objetivos básicos são: manter local ou sistema de negociação eletrônico adequados à realização, entre seus membros, de transações de compra e venda de títulos e valores mobiliários; preservar elevados padrões éticos de negociação; e divulgar as operações executadas com rapidez, amplitude e detalhes.

Bonificação: Ações distribuídas gratuitamente aos acionistas, em decorrência de aumento de capital realizado por incorporação de reservas.

Bradies: Papéis da dívida externa de países em desenvolvimento, renegociados de acordo com as regras do Plano Brady. O plano tem esse nome em referência ao ex-secretário do Tesouro Americano, Nicholas Brady. O reescalonamento baseou-se na emissão de títulos para substituir a dívida externa desses países. Na conversão foi aplicado um desconto no valor dos empréstimos.

Break Even Point: Ponto de equilíbrio entre receita e despesa. A partir do break even point as receitas da empresa geram, proporcionalmente, um lucro maior.

Dicionário de Economia – Letra C

Caderneta de Poupança: Conta em estabelecimento bancário que oferece remuneração mensal, em juros e correção monetária, para os estoques manetários ali depositados.

Câmbio Comercial: É a cotação do dólar usada para o fechamento dos contratos de exportação e importação. O câmbio comercial também registra as operações de empréstimos de empresas no exterior, investimentos estrangeiros diretos, as entradas e saídas dos investimentos estrangeiros em renda fixa e nas bolsas de valores.

Câmbio Fixo: Um sistema de câmbio em que o Banco Central de um país estabelece um valor fixo para a paridade entre a moeda local e o dólar. Esse sistema funciona na Argentina e em Hong Kong.

Câmbio Flutuante: É o mercado através do qual saem as remessas de lucros das multinacionais para o exterior. O câmbio flutuante também inclui operações de empréstimos e o comércio de jóias e pedras preciosas.

Câmbio Paralelo: É o mercado que existe quando o país não tem uma política de câmbio 100% livre.

Capacidade de Endividamento: Em economia empresarial, é a aptidão que uma empresa demonstra para captar recursos tendo por base a sua estrutura financeira. No plano da análise financeira especificamente, convencionou-se que uma empresa que apresente a relação capital próprio/ativo permanente < 0,5 se encontra no limite de sua capacidade de endividamento.

Capacidade de Financiamento: É a denominação dada ao saldo da conta de capital de um agente, quando este figura como aplicação, ou seja, no ativo.

Capacidade Instalada: É o potencial de produção de determinado setor da economia. Dizer que a indústria está trabalhando com 79,04% da sua capacidade é o mesmo que dizer que está com 20,96% de sua capacidade de produção ociosa.

Capital de Giro: Parte do capital utilizada para o financiamento dos ativos circulantes da empresa e que garante uma margem de segurança no financiamento da atividade operacional.

Capitalismo: Sistema econômico baseado na propriedade privada dos meios de produção e sua utilização com fins lucrativos. Por extensão regime fundamentado na dissociação entre os proprietários dos meios de produção, que os utilizam com o objetivo de lucro, e os trabalhadores, que efetivamente realizam a produção mediante o pagamento de um salário que remunera sua força de trabalho.

Carga Tributária: É o esforço fiscal do governo. O montante de impostos arrecadados no país. A carga é medida em percentual do PIB. No Brasil, a arrecadação de impostos representa cerca de um terço das riquezas produzidas no país.

Carga Tributária: Documento emitido por um banco, autorizando um cliente a retirar quantia especificada junto a uma sucursal ou representante desse banco.

Cartel: Acordo realizado entre empresas independentes umas das outras, com o objetivo de limitar ou suprimir os riscos da concorrência.

Chash Flow: É o fluxo de caixa, as previsões e o registro do movimento de entrada e saída de dinheiro de uma empresa, órgão governamental ou mesmo de uma família.

Caução: Compromisso assumido por uma pessoa de tomar a si a responsabilidade de cumprir uma obrigação subscrita por outra pessoa, no caso desta falhar. O beneficiário da caução é normalmente chamado devedor principal.

C-Bonds: Título da dívida externa brasileira mais negociados no mercado internacional.

CC5: São as contas correntes mantidas por pessoas físicas e jurídicas que não residem no Brasil. Em momentos de crise, grande parte dos recursos saem por essas contas CDI:

CERTIFICADO DE DEPÓSITO INTERBANCÁRIO: São uma espécie de Certificado de Depósito Bancário (títulos que os bancos lançam para captar dinheiro no mercado). A sua função é transferir dinheiro de um banco para outro.

COFECON: CONSELHO FEDERAL DE ECONOMIA: É uma autarquia federal criada por lei com a finalidade de disciplinar e normatizar o exercício da profissão de economista, em todo território nacional.

CMN: Conselho Monetário Nacional. É o principal órgão do Sistema Financeiro Nacional, criado pela Lei 4.595 de 1964. Determinada a sua competência quanto a ser órgão disciplinador do Mercado de Capitais pela Lei 4.728 de 14 de julho de 1965, o Conselho Monetário Nacional também substitui o Conselho da Superintendência da Moeda e do Crédito (SUMOC), e tem como finalidade formular a política da moeda e do crédito.

Commodities: Títulos correspondentes a negociações com produtos agropecuários, metais, minérios e outros produtos primários nas bolsas de mercadorias. Estes negócios se referem a entrega futura de mercadorias, mas não significa necessariamente que há movimento físico de produtos nas bolsas. O que se negocia são contratos.

Conjuntura: Elementos constitutivos da situação econômica de um setor, de um ramo de atividade, de uma região ou de um país em um determinado momento.

Conta de Serviços: Além das receitas e despesas com viagens internacionais, registra também os gastos sobre a dívida, a contratação de fretes e seguros e as remessas de lucros e dividendos das empresas brasileiras.

Conta Turismo: Mostra os gastos de brasileiros em viagens internacionais e as receitas obtidas pelo país quando estrangeiros visitam o Brasil.

Contra-Cheque: É a denominação carioca do recibo de salário.

Convênio: Ato administrativo que permite a liberação do recurso previsto no OGU. Quando o Governo vai, por exemplo, financiar uma obra em um município, assina um convênio com o prefeito.

COPOM: Comitê de Política Monetária do BACEN, é o órgão que decide a política da taxa de juros.

CORECON: CONSELHO REGIONAL DE ECONOMIA: É uma autarquia federal criada por lei com a finalidade de fiscalizar o exercício da profissão de economista, no âmbito de sua jurisdição estadual. Expede a carteira de identidade profissional e zela pelo cumprimento do Código de Ética do Economista.

Corporativismo: Sistema que confere papel de direção e poder regulamentador a sindicatos únicos (patronais ou de trabalhadores), constituídos por profissão.

Crash: Denominação dada a uma forte queda nas bolsas de valores. Por extensão desastre financeiro.

Critério de Desempenho: São as metas do acordo com o FMI pelas quais o Brasil é avaliado. O descumprimento destas metas significa a interrupção dos repasses das parcelas de empréstimos e necessidade de nova renegociação.

CVM: Comissão de Valores Mobiliários. Tem por finalidade a fiscalização e a regulação do mercado de títulos de renda variável, tendo, entre outras as atribuições de assegurar o funcionamento eficiente e regular os mercados de bolsa e balcão, e proteger os títulos de valores mobiliários e os investidores do mercado.

Custeio: São as chamadas despesas do dia-a-dia do Governo. As despesas necessárias para que possam funcionar os ministérios, departamentos e órgãos da administração pública. No OGU, essas despesas aparecem com o nome de “outras despesas correntes”. Não entram aí as despesas com o folha de pagamento.

Dicionário de Economia – Letra D

Day Trade: É a compra e venda de ações ou títulos no mesmo dia. Nas negociações com ações, as operações de day trade só podem ser efetuadas no mercado futuro e no mercado de opções, vedadas mo mercado à vista.

Debêntures: Título que representa empréstimo a uma S.A, rendendo juros e correção monetária e garantido pelo ativo da empresa e com preferência para o resgate sobre quase todos os outros débitos. Pode ser emitido em duas modalidades: nominativa- endossável, e em dois tipos; simples ou debênture conversível em ações.

Dealer: É a instituição financeira que tem linha direta com o BACEN. Uma espécie de clube fechado. Por esse privilégio, a instituição dealer têm algumas obrigações, como transmitir ao mercado financeiro as comunicações do BACEN sobre leilões, juros, etc. E apresentar lance em todos os leilões de títulos. Esse clube tem periodicamente instituições entrando e outras saindo. A lista de instituições dealers não está formalizada mas o mercado sabe quem são elas.

Default: Calote, no jargão do mercado financeiro.

Déficit Comercial: Reflete a diferença entre o que o país arrecadou com as exportações e o que gastou com as importações. Quando o resultado é negativo (as importações são maiores que as exportações) denominamos déficit comercial. Se o resultado positivo chamamos de superávit comercial.

Déficit em Conta Corrente: É o resultado das transações comerciais do país como o mundo (incluindo as exportações e as importações), mais os serviços e as chamadas transferências unilaterais. Reflete a quantia, em dólares, que falta ao Governo para quitar seu saldo negativo na balança comercial. Inclui ainda outros custos, como o de seguros, fretes marítimos e os demais gastos do comércio externo.

Déficit Nominal: É o conceito de déficit público que, além das receitas e despesas, inclui os gastos com o pagamento de juros da dívida pública. No caso do Brasil, ao final de 1998, esse déficit supera os 8% do PIB.

Déficit Previdenciário: É a diferença entre o que o Governo arrecada com a contribuição do funcionalismo público e o que paga através de benefícios aos servidores públicos ativos e inativos.

Déficit Primário: É o resultado das contas públicas que inclui o Tesouro Nacional, Previdência e Banco Central.

Deflação: É a variação negativa dos preços da economia. Significa a produção e o consumo decrescentes de bens e serviços produzidos num país. Constante, conduz à diminuição e ao agravamento do padrão de vida das pessoas e à recessão.

Derivativos: São os mercados futuros e de opções, que viabilizam as operações de hedge. Operam preços futuros de ações, Índice Bovespa, dólar, ouro, juros e mercadorias agrícolas. Uma empresa que tem dívidas em dólar, e teme aumentos na cotação da moeda, compra contratos no mercado futuro para se proteger da oscilação. Se no fim do prazo, o dólar subir, a empresa recebe a quantia para comprar a moeda no novo preço.

Demanda: Quantidade de um bem ou serviço que pode ser adquirida por um preço definido, em um dado mercado, durante uma unidade de tempo determinada.

Depressão: Fase do ciclo econômico, característica das economias capitalistas, marcada pela diminuição da produção, uma tendência à baixa dos preços e ao aumento do desemprego.

Desconto: Quantia deduzida do valor nominal de notas promissórias, letras de Câmbio e duplicatas, quando são pagas antes do prazo estipulado. A mais frequente operação de desconto é a realizada pelos bancos, que recebem por um preço menor as duplicatas emitidas por uma empresa contra seus clientes.

Despoupança: Fato de transformar uma poupança em consumo.

Deságio: É o desconto no preço de um título. Se o papel vale R$1mil na data de resgate, o investidor compra por R$ 950 e ganha a diferença, além dos juros e correção monetária ou correção cambial.

Dívida Externa: É o total das dívidas com credores externos do Governo, incluindo estados, municípios e estatais.

Dívida Mobiliária: É o volume de títulos que o Governo emitiu e vendeu ao mercado.

Dívida Pública: Tudo o que o Governo gasta com empréstimos e emissões de títulos.

Dividendo: Parcela dos lucros de uma de capitais, atribuída a cada acionista.

Dotação Orçamentária: A quantia determinada no OGU, para atender a cada despesa.

Down Jones: Índice da Bolsa de Nova York, criado em 1986. Representa a rentabilidade do grupo de ações mais movimentadas diariamente no pregão.

Draw Back: É uma isenção de imposto para importação feita com o objetivo de industrializar o produto no país e posteriormente exportá-lo.

Dumping: É a prática desleal de preços abaixo do custo no comércio internacional.

Dicionário de Economia – Letra E

Economia: “A economia é a ciência que se preocupa com o estudo das leis econômicas que devem ser seguidas para que seja mantida em nível elevado a produtividade; melhorado o padrão de vida das populações e empregados corretamente os recursos escassos”. (Paul Anthony Samuelson) sobre o estudo da trilogia clássica formação, distribuição e consumo de riquezas, substituída contemporaneamente pela dicotomia escassos recursos e necessidades ilimitadas.

Economista: É o profissional que exerce as funções de economia e finanças, com formação superior em Ciências Econômicas e registro no CORECON.

Endosso: Aposição, pelo portador de um título comercial à sua ordem, de sua assinatura no verso do título, para transferir a um terceiro o crédito representado.

Empenho: Antes de efetivamente fazer a liberação de recurso previsto no OGU, o Governo empenha (reserva) no Tesouro o recurso.

Enxugar o Mercado: Retirar dinheiro com a venda de títulos. É como passar um rodo no mercado.

Estabilidade Econômica: Reúne três objetivos básicos, em que a atuação da Política Econômica é de importância vital: 1) manutenção do pleno emprego; 2) estabilidade geral de preços; 3) equilíbrio do balanço internacional de pagamentos.

Estagflação: Situação econômica caracterizada pela conjunção de uma tendência à estagnação ou recessão seguida de inflação.

Estagnação: Pode ser compreendida como um fator resultante da demanda em particular (investimento, exportação, consumo, etc.), ou da atividade econômica em geral, e, portanto da produção.

Expansão: Situação de uma economia, em que os volumes da produção e da demanda apresentam índices de crescimento.

Dicionário de Economia – Letra F

FED: Federal Reserve. É o Banco Central dos Estados Unidos. É a partir da atuação do FED, que sobe ou desce as taxas de juros no mercado americano, cuja tendência outros países acompanham.

FEF: Fundo de Estabilização Fiscal. É o dinheiro retido pela União que deixa de ser repassado aos estados e municípios. E que deixa de ser aplicado em determinados gastos como manda a constituição.

FMI: Fundo Monetário Internacional. Criado em 1944, pelo Acordo de Bretton Woods, é o organismo financeiro da Organização das Nações Unidas-ONU, com sede em Washington-EUA, para corrigir desequilíbrios no balanço de pagamentos dos países-membros que possam comprometer o equilíbrio do sistema econômico internacional. Geralmente, o auxílio do FMI incorre em medidas econômicas ortodoxas de equalização fiscal e cortes de gastos públicos.

FOB: Abreviação utilizada nos contratos de comércio marítimo internacional, que estipula que o preço da mercadoria transacionada cubra todas as despesas de transporte até o porto de embarque, bem como todos os direitos e taxas incidentes sobre a mercadoria para poder ser posta a bordo.

Fundos de Investimento: Organismos de coleta de poupança e de aplicação, em que o capital variável é aberto ao público, e o valor dos títulos possuídos por cada participante é determinado pela relação entre o total do ativo e o número de quotas, e não diretamente pelo mercado.

Fusão: Ocorre quando duas companhias decidem unir seus negócios. Muitas vezes, as ações das duas empresas são trocadas por papéis de uma terceira empresa, resultando da fusão.

Dicionário de Economia – Letra G

G-7: É o nome dado à reunião periódica (três vezes por ano) dos sete países mais ricos: Alemanha, França, Estados Unidos, Japão e Inglaterra, Itália e Canadá, com o objetivo de discutir assuntos relevantes e decidir, se for o caso, uma ação coordenada de ajuda aos países mais pobres. O G-7 se reuniu pela primeira vez em 1975, por iniciativa do então primeiro-ministro alemão Helmut Schimidt, e do presidente francês à época, Valéry Giscard.

GAP: Representa um hiato nas cotações de ações. É um intervalo na cotação do preço de uma determinada ação, onde não foram registrados negócios naquele intervalo de preços.

Goodwill: Conjunto dos elementos não- materiais provenientes de fatores tais como reputação, relação com clientes e fornecedores, localização, etc, que contribuem para a valorização de um estabelecimento comercial.

Go Around: É um leilão informal ou secundário de títulos públicos. Descreve o processo pelo qual a mesa de negociação do BACEN pede que seus dealers (bancos autorizados a agir em seu nome) obtenham cotações de compra e venda. Pode haver aviso desses leilões por telefone do BACEN para os bancos ou, mais freqüentemente, pela rede de computadores do BACEN.

Dicionário de Economia – Letra H

Hedge: São operações destinadas à proteção do investidor que quer reduzir o risco de suas aplicações.

Hiperinflação: É o aumento insistente de preços da economia. é tido também como um descontrole geral de preços. Segundo alguns conceitos, a hiperinflação se caracteriza quando a taxa mensal de inflação atinge 50%.

Holding: É a empresa que detém o controle acionário de outra empresa, ou de um grupo de empresas subsidiárias.

Hot Money: Capital de curto prazo, que se desloca de um país para outro e, consequentemente, de uma divisa à outra, com fins especulativos, (dinheiro quente).

Dicionário de Economia – Letra I

IBV: Indice da Bolsa de Valores. É o índice que mede a variação diária dos preços das ações mais negociadas na Bolsa de valores. Se ele apresentar, no dia, mais alto que o anterior significa que os investidores tiveram lucro e, se apresentar mais baixo, que tiveram prejuízo.

IBGE: Instituto Brasilleiro de Geografia e Estatistica. É uma importante empresa pública criada com o propósito básico de apresentar estudos e acompanhar as variações de contas macroeconômicas, tais como desemprego, custo de vida, inflação, etc.

IGP-10: Calculado pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). A metodologia de cálculo é idêntica à do IGP-M. Mede a variação dos preços entre os dias 11 do mês anterior e o dia 10 do mês de referência.

IGP-DI: Calculado pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). Tem metodologia idêntica à do IGP-M. Considera a variação dos preços dentro do mês de referência.

IGP-M: Calculado pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), o Índice Geral de Preços do Mercado (IGP-M) é uma referência do mercado financeiro. Mede o comportamento dos preços entre famílias do Rio e de São Paulo, com renda mensal de um a 33 salários mínimos. é apurado entre os dias 21 do mês anterior e 20 do mês de referência. É formado por três taxas: Índice de Preços por Atacado (IPA) – que corresponde a 60% do IGP-M; Índice de Preços ao Consumidor (IPC) – que responde por 40% do IGP-M total; e o Índice Nacional de Custo da Construção (INCC) – que é 10% do IGP-M.

Incorporação: É a operação pela qual uma ou mais sociedades são absorvidas por outras que lhes sucedem em todos os direitos e obrigações.

INPC: Índice Nacional de Preços ao Consumidor. É calculado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Considera a variação dos preços em 11 regiões: Rio, São Paulo, Belo Horizonte, Brasília, Porto Alegre, Curitiba, Belém, Fortaleza, Salvador, Recife e Goiânia. Tem como base o orçamento de famílias com renda mensal entre um e oito salários mínimos.

IIF: Institute of International Finance. Organização que representa os maiores 200 bancos privados do mundo.

ICOTERMS: Regras internacionais para a interpretação dos termos comerciais.

Indexação: Ato que consiste em ligar o valor de um capital ou de um rendimento à evolução de uma variável de referência (preço, produção, produtividade, por exemplo).

Inflação: Fenômeno geral de ajuste, por meio monetário, das tensões existentes em um conjunto socioeconômico, e que é caracterizada pela alta do nível geral dos preços e pela depreciação da moeda.

Interbancário: É o mercado em que são feitas as operações entre os bancos. O Banco Central atua nesse mercado para regular a quantidade de dinheiro do sistema financeiro. Para isso, ele toma ou empresta recursos a uma determinada taxa de juros. Se o objetivo é reduzir os juros ele empresta dinheiro, aumentando a oferta de reais.

Inundar o Mercado: É oferecer dinheiro aos bancos a juros baixos e, com isso, estimular uma redução das taxas de juros em geral.

Insider: É o investidor que tem acesso às informações de uma determinada empresa, antes de se tornarem conhecidas do mercado.

Inversões Financeiras: São os repasses de recursos para outras contas ou fundos do OGU, tais como os repasses constitucionais (fundos dos estados e municípios) ou aqueles feitos para estatais das quais o Governo detém a maioria do capital social.

Investimentos: São as despesas novas que o Governo pretende fazer no país com vistas ao desenvolvimento: estradas, ferrovias, eletrificação rural, saneamento, etc. No OGU, entram, junto com as inversões financeiras, como o nome de “outras despesas de capital”.

IOF: Imposto sobre Operações Financeiras. Imposto que incide sobre as remunerações de todas as atividades bancárias e financeiras, com exceção dos juros propriamente ditos.

IPC- Fipe: O índice de Preços ao Consumidor é calculado pelo Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe) da USP (Universidade de São Paulo) e considera a variação dos preços na capital paulista.

IPC- RJ: Considera a variação dos preços na cidade do Rio de Janeiro. é calculado mensalmente pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) e toma por base os gastos de famílias com renda de um a 33 salários mínimos IPCA: O índice de Preços ao Consumidor Amplo, calculado pelo IBGE, mede a variação da inflação nas famílias com rendimentos de até 40 salários mínimos mensais.

Dicionário de Economia – Letra J

Joint- Venture: Um empreendimento conjunto. Associação entre empresas ou entre países, sob a forma de capital, trabalho ou recursos naturais. Literalmente uma associação com aventura.

Juros Futuros: São os contratos negociados na Bolsa de Mercadorias e Futuros (BM&F) em que os investidores apostam na tendência das taxas no futuro.

Dicionário de Economia – Letra K

Know- How : Saber fazer uma coisa. Acervo tecnológico ou de recursos humanos de uma empresa, um país ou uma pessoa.

Dicionário de Economia – Letra L

LBC: Letra do BACEN. Papel com taxa pós-fixadas que rende a taxa Selic (média do over).

Lance: Preço oferecido pelos representantes das sociedades corretoras em público pregão, para a compra ou venda de um lote de ações.

Lastro: Depósito em ouro que serve de garantia ao papel-moeda. Nas operações do nosso mercado financeiro, lastro são os títulos dados em garantia de uma operação de open market.

Leasing: Modalidade de crédito profissional formada por um contrato de locação de equipamentos mobiliários ou imobiliários, acompanhado de uma promessa de venda ao locatário.

LDO: Lei de Diretrizes Orçamentárias. Lei que estabelece as regras da elaboração do OGU. Define, por exemplo, qual o percentual que será gasto com investimentos, ou como os recursos serão distribuídos pelos vários estados e municípios. A LDO é aprovada pelo Congresso no primeiro semestre do ano para balizar a votação do OGU no segundo semestre.

Leilão Primário: É a venda de títulos públicos, com publicação de edital, para todo o mercado. é também chamado de leilão formal.

Leilão Secundário: Pode ser chamado de leilão informal. É a venda de títulos apenas para algumas instituições financeiras, que depois podem repassar a outras.

Letra de Câmbio: Título comercial, através do qual um credor, chamado de emitente, ordena que o devedor, ou sacado, pague no prazo indicado uma importância precisa a uma terceira pessoa designada, a beneficiário.

Libor: É a taxa de juros cobrada sobre os empréstimos em moeda estrangeira e que vigora no mercado financeiro internacional de Londres.

Liberalismo: Liberalismo econômico, doutrina que afirma que o melhor sistema econômico é o que garante o livre jogo das iniciativas individuais dos agentes econômicos.

Liquidez: É o volume de dinheiro que circula no mercado. Se a liquidez é alta, é porque há muito dinheiro circulando pelas instituições financeiras. Se ela é apertada, é porque falta dinheiro e os juros sobem.

LTN: É equivalente ao BBC-Bônus do BACEN. Tem juros prefixados e prazo máximo de 28 dias. Serve para cobertura de déficit orçamentário do Governo.

Dicionário de Economia – Letra M

Macroeconomia: É a análise que procura garantir a manutenção do pleno emprego dos recursos disponíveis dos sistemas econômicos. Ocupa-se ainda das condições necessárias ao desenvolvimento econômico bem como de seus significados, custos e benefícios. Procura também determinar as causas e os efeitos da inflação e das elevações gerais dos níveis de preços como um todo.

Marketing: Estudo do mercado que visa a planejar possíveis lançamentos de produtos em um futuro próximo ou distante (prospectivos), e que leva em consideração as necessidades existentes ou possíveis, e as perspectivas de pesquisa e de adaptação da empresa.

Matemática Financeira: Dentre várias definições, “é a ciência que estuda o dinheiro no tempo” (Lawrence J.Gitman). O conhecimento de matemática financeira é indispensável para compreender e operar nos mercados financeiro e de capitais, e atuar em administração financeira com baixos tempo e custo de decisão.

Meio de Pagamentos: São os recursos considerados imediatamente disponíveis para a população. É medido através do dinheiro em poder do público, mais os depósitos à vista nos bancos comerciais, inclusive o Banco do Brasil.

Mercado Futuro: É o mercado onde se pode comprar e vender a futuro. Você compra ou vende ações hoje, e a liquidação, isto é, o pagamento e a entrega dos papéis ocorre numa data futura pré-fixada.

Mercado de Opções: A opção de compra de ações é um tipo de contrato que garante ao seu titular o direito de comprar um lote de ações a um preço fixado nesse contrato, durante um prazo determinado. A contraparte do contrato, o lançador, assume o compromisso de vender o lote ao preço fixado, até a data do vencimento, se o titular deseja exercer seu direito.

Mercado Negro: Situação fictícia de cotação ou de negociação antecipada de um título, antes de seu lançamento oficial na bolsa.

Metas de Inflação: São os percentuais que o Governo irá estipular para a variação da taxa de inflação. A intenção do Governo brasileiro é que as metas sejam semestrais, segundo um índice de custo de vida do IBGE previamente selecionado. Este modelo de controle de inflação por metas denominado “inflation target” existe em vários países, entre eles a Nova Zelândia e a Inglaterra.

Metas Indicativas: Ao contrário das metas quantitativas, não precisam ser alcançadas para liberação de empréstimos nos acordos assinados com o FMI. Portanto, são metas mais flexíveis.

Metas Quantitativas: São as metas acertadas com os diretores do FMI e expressas em reais e não em percentuais. é o caso do superávit primário do setor público, por exemplo, que é fixado em milhões de reais.

Microeconomia: É um processo teórico elaborado com vistas a determinar as condições gerais de equilíbrio da economia a partir do comportamento dos agentes econômicos individuais – produtores e consumidores. Em tal sentido, pode também ser considerada como um ramo tradicionalmente ligado à ideologia do individualismo e do liberalismo.

Minibanda: É um intervalo dentro da banda cambial mais larga em que o BACEN atua junto ao mercado financeiro comprando e vendendo moeda.

Modelo: Representação formalizada num sistema de equações, formando um conjunto coerente de relações entre os fenômenos econômicos.

Monetarismo: Corrente teórica que atribui à moeda um papel determinante nas flutuações econômicas, seus adeptos defendem a teoria quantitativa da moeda e suas implicações.

Monopólio: Situação de um mercado em que não existe concorrência na oferta: só se apresenta um único vendedor. Sempre que existe um único comprador, a teoria econômica utiliza, atualmente o termo monopsônio, ou monopólio do comprador.

Moratória: Disposição que suspende o pagamento num prazo fixado por lei ou por força de um contrato.

Dicionário de Economia – Letra N

NBC-E: Nota do Bacen – Série Especial. É um papel corrigido pela variação do dólar comercial. Tem juros de 6% ao ano além da correção cambial. Prazo mínimo de três meses. Esse título é vendido com deságio sobre o valor nominal, o que aumenta sua rentabilidade.

NBC-F: Nota do Bacen – Corrigida pela variação do Dólar Flutuante. Destina-se à proteção do investidor de uma desvalorização brusca da moeda nacional.

Nota Promissória: Documento emitido pelo devedor, que se obriga a pagar o seu credor, ou a sua ordem, uma determinada importância, numa data de vencimento definida.

NTN: Nota do Tesouro Nacional. É um papel que têm várias destinações. Pode ser para cobrir rombos do Orçamento da União ou até para troca de dívida externa (em dólares) por dívida interna. Tem várias séries, cada uma com um tipo de correção: cambial, inflação, TR, TJLP, etc.

Dicionário de Economia – Letra O

Oferta: Colocação à disposição do mercado de bens ou serviços. Por extensão: volume de bens e serviços colocados assim à disposição da demanda.

Oferta Monetária : Conjunto de créditos formados pelas disponibilidades monetárias e quase monetárias.

Offshore: Denominação dada às compras feitas pelo governo americano no exterior, no âmbito de sua política de ajuda internacional (em inglês, literalmente: ao largo, ultramar). A expressão também designar as plataformas petrolíferas em alto-mar, termo se aplica às sociedades quando são implantadas fora do(s), país(es) de origem de seus dirigentes.

OGU: Orçamento Geral da Nação. Lei aprovada pelo Congresso Nacional, que detalha todos os gastos que o Governo está autorizado a fazer durante o ano. É uma lei autorizativa. Ou seja, o Governo pode gastar até o limite determinado, mas não preciso gastar tudo o que está previsto. Por isso, é que o Governo pode, em caso de crise, fazer cortes nas despesas do OGU: dívida, custeio, investimentos, salários e Previdência.

Oligopsônio: Situação de um mercado em que a concorrência é imperfeita do lado da demanda, devido à presença de um número muito limitado de compradores.

Opção: Contrato negociado no mercado financeiro, que dá direito, mediante o pagamento imediato de um prêmio, de comprar ou vender ativos financeiros à prazo.

Open Market: Técnica de intervenção do banco central no mercado monetário através da compra e venda de títulos.

Orçamento: Previsão limitadora das quantias monetárias que devem ser utilizadas como despesas e receitas, ao longo de um período determinado, por um indivíduo ou por uma sociedade.

Organicismo: Doutrina elaborada por Schaeffle e Rodbertus, que compara o sistema econômico a um ser vivo.

Dicionário de Economia – Letra P

Padrão Monetário: Valor, ou matéria, convencionalmente adotado com base do sistema monetário de um ou de vários países, e em relação ao qual serão definidos os outros tipos de moeda, e particularmente as unidades monetárias.

P/L: Índice Preço/Lucro. É o quociente da divisão do preço da ação. Assim, o P/L é o número de anos que se levaria para reaver o capital aplicado na compra de uma ação, através do recebimento do lucro gerado pela empresa.

PAR: Valor de uma ação idêntico ao oficial ou nominal.

Paraíso Fiscal: Zona econômica onde a regulamentação fiscal e monetária das atividades bancárias é leve, ou até inexistente (ex. Suíça, Panamá, Luxemburgo, etc.).

Participação nos Lucros: Fração dos lucros de uma sociedade, a serem distribuídos, além da parte proveniente do primeiro dividendo e, eventualmente, dos juros, destinada ao conselho de administração ou ao conselho fiscal a título de remuneração complementar.

Passivo: Contrapartida do ativo, no balanço de um sujeito econômico. Compreende basicamente as obrigações a pagar, isto é, as quantidades que a empresa deve a terceiros: títulos à pagar, contas à pagar, fornecedores, salários à pagar, impostos à pagar, hipotecas à pagar, etc.

Patente: Documento emitido pelo governo e concedido a um inventor ou a seus representantes, a fim de proteger seus direitos de propriedade e de exploração de uma invenção de caráter industrial.

PEA: População Economicamente Ativa. O contingente de trabalhadores brasileiros com carteira assinada, em torno de 45 milhões de pessoas. É a base de cálculo da taxa de desemprego medida pelo IBGE.

Penhor: Bem móvel pertencente a um devedor e entregue a seu credor para assegurar a liquidação de sua vida.

PIB: Produto Interno Bruto. É a soma de todos os bens e serviços produzidos no País durante o ano. É comum também utilizar o PIB como padrão de medida para outras contas públicas. Por exemplo, o déficit público atingiu R$32,5bilhões ou 7,27% do PIB.

Prime Rate: Depois da Libor (ou talvez tanto quanto ela) é a taxa de juros mais importante da economia mundial, pois é cobrada pelos bancos americanos de seus principais clientes. Assim, a Libor e a Prime sempre andam juntas. São primas.

Política Econômica: É também conhecida como Economia Normativa. São as ações práticas do governo, com a finalidade de condicionar, balizar e conduzir o sistema econômico, no sentido de que sejam alcançados um ou mais objetivos econômicos, politicamente estabelecidos. Aplica, para melhor condução da ação econômica, os desenvolvimentos elaborados pela Teoria Econômica.

Política Monetária: Controle da quantidade de dinheiro em circulação no mercado e que permite definir as taxas de juros.

Poupança: Destino dado aos rendimentos monetários não utilizados para consumo, seja por entesouramento, aplicação ,empréstimo ou para investimento direto futuro.

Poupança Agregada: Poupança bruta, variação antes descontadas as amortizações sofridas pelo valor do patrimônio ao longo do período considerado. Poupança líquida- poupança bruta deduzida da amortização do ativo fixo.

Preço: Independente de seu valor de uso objetivo e de seu valor subjetivo de satisfação, o preço de um bem ou de um serviço só existe na medida em que se situa dentro de uma relação de troca (em espécie na medida em que se situa dentro de uma relação de troca (em espécie, preço relativo, ou em moeda, preço monetário), isto é , na medida em que produtor e usuário final possam ser diferentes.

Prêmio: Indenização previamente combinada que o comprador a prazo de um valor em bolsa paga ao vendedor no dia da liquidação, em caso de desistência de uma operação já contratada.

Produção: Criação de um bem ou de um serviço adequado para a satisfação de uma necessidade.

Produção Interna: Conjunto dos bens e serviços produzidos pela economia nacional, em território nacional, qualquer que seja a nacionalidade dos produtores.

Produto Nacional: Agregado que reúne o conjunto dos produtos dos diversos ramos de uma economia nacional durante um determinado período (um ano).

Protecionismo: Doutrina, teoria ou política econômica que preconiza-ou põe em prática, um conjunto de medidas que favorecem as atividades domésticas e penalizam a concorrência estrangeira.

Dicionário de Economia – Letra R

Raider: Pessoa física ou jurídica que se torna adquirente de sociedades sem a concordância de seu conselho de administração, utilizando a técnica da oferta pública de compra.

Recessão: Ocorre quando o volume de riqueza que um país produz (PIB) diminui em relação ao que produziu no ano anterior. Geralmente precedida pela deflação, é um período de crise e transição entre uma época de prosperidade e outra de depressão econômica.

Recompra: É ocompromisso assumido por uma instituição financeira de tornar a comprar o título negociado, em uma data futura, antes do vencimento do título.

Redesconto: É um dos instrumentos de política monetária utilizado pelo banco central para regular o sistema de liquidez do sistema bancário. Ë utilizado quando os bancos comerciais, apesar de todas as suas previsões de caixa, necessitam de reforço caixa ou ficam a descoberto na compensação de cheque. Nestes casos o banco emite uma nota promissória a favor do Banco Central e recebe um crédito em sua conta de depósito no Banco do Brasil.

Regime Cambial: É a política de câmbio que prevê uma banda para a flutuação do real frente ao dólar.

Regime Econômico: Características institucionais que determinam, no âmbito de um sistema econômico, as condições de organização prática do funcionamento da economia.

Remuneração: O que é percebido por um indivíduo, ou por uma coletividade, como fruto do capital ou da remuneração do trabalho.

Renda Nacional: Agregado representativo do fluxo dos recursos nacionais em bens e serviços, gerados ao longo de um determinado período. Inclui salários, rendimentos de profissionais liberais, lucros privados e lucros obtidos por empresas públicas, juros, aluguéis e receitas provenientes de arrendamento.

Renda Per Capita: Resultado da divisão do montante total da renda tributável pelo número de pessoas, em economia, indicador usado para medir o grau de desenvolvimento de um país.

Renda Prefixada: É o rendimento que o investidor fica sabendo no ato da aplicação quanto vai ganhar e quando terá o seu dinheiro de volta. É a aplicação “corte certeza sem surpresa”.

Renda Pós-fixada: É o rendimento que paga correção monetária no período da aplicação mais juros (% ano), sobre o valor corrigido da aplicação. Nesta aplicação o investidor só fica sabendo qual será o seu rendimento no vencimento do título.

Reservas Internacionais: Constituídas pelos dólares que entram no país via investimentos diretos, empréstimos, financiamentos e captações. Para serem usados, esses dólares são trocados por reais junto aos bancos. Os reais vão para a economia e os dólares ficam com o BACEN. As reservas em dólares precisam ser suficientes para quitar todas as dívidas do país com o mercado internacional.

Risco: Elemento de incerteza que pode afetar a atividade de um agente ou o desenrolar de uma operação econômica.

Rolagem da Dívida Pública: É o refinanciamento de papéis emitidos para cobrir rombos no Orçamento do Governo. Nas contas do Tesouro Nacional, o aumento dos juros tem impacto negativo (aumento); e a diminuição dos juros tem impacto positivo (diminuição) na dívida pública.

Dicionário de Economia – Letra S

Salário Mínimo: Menor salário fixado por lei, a fim de garantir aos assalariados das categorias menos favorecidas um rendimento correspondente ao mínimo vital, definido em relação a um determinado meio social.

Saldo em Transações Correntes: É o resultado de todas as operações do país com o exterior. Nessa conta, estão incluídas as receitas e despesas da balança comercial (exportações e importações), da conta de serviços (juros, viagens internacionais, transportes, seguros, lucros e dividendos, serviços diversos) e das transferências unilaterais. O Brasil tem um déficit nas contas externas (as despesas superam as receitas).

Sazionalidade: É a denominação do período do ano com maior atividade de determinado setor da economia. A indústria tem maior nível de atividade nos meses de setembro e outubro, quando a produção aumenta para atender às encomendas do comércio para as vendas de Natal.

Serviços: Prestações de assistência ou realização de tarefas que contribuem para a satisfação das necessidades individuais ou coletivas, de outro modo que não seja pela transferência da propriedade de um bem material.

63 Caipira: São recursos captados junto a instituições financeiras no exterior para serem repassados para a produção agro industrial brasileira. Antes de ser usado para financiar a produção, o dinheiro pode ser aplicado no mercado financeiro em títulos públicos federais.

Setor Público Não Financeiro: É representado pelas empresas públicas federais, estaduais e municipais, exceto bancos, distribuidoras de títulos, corretoras e demais companhias com permissão para atuar no mercado financeiro. Ou seja, reúne as principais empresas públicas, excluindo as instituições financeiras.

SISBACEM: É o Sistema de computadores do BACEN. É nele que são registradas saídas e entradas de dólares do país e por onde são feitos vários avisos, entre eles a liquidação de instituições financeiras, etc.

Sistema Econômico: Conjunto de instituições jurídicas e sociais afins, em que são empregados certos meios técnicos, organizados em função de determinadas causas dominantes, para assegurar a realização do equilíbrio econômico.

Socialismo: Doutrina que preconiza a organização de uma sociedade igualitária, livre das relações de exploração entre as classes sociais, e que assegura a primazia do interesse coletivo sobre os individuais. Sistema e regime que, pelos seus princípios defendem este objetivo.

Sociedade: Entidade jurídica, instituída por um contrato, que reúne várias pessoas que se obrigam a empregar em comum valores, bens, ou trabalho, com finalidade lucrativa.

Split: É o desdobramento de ações, se diz que uma ação dará um split, quando a empresa irá distribuir uma certa quantidade de papéis para cada um existente.

SPREAD: Margem bancária adicionada à taxa aplicável a um crédito, o spread é variável conforme a liquidez e as garantias do tomador , o volume do empréstimo e o prazo de resgate.

Stand By: Acordo entre o FMI e um país membro, autorizando este a efetuar, durante um certo período e por um valor determinado, retiradas do Fundo, em divisas.

Superávit Primário do Setor Público: Se caracteriza quando o Governo consegue que sua arrecadação total supere suas despesas, descontados os gastos com juros e correção monetária de dívidas. Alguns bons exemplos destas despesas são o pagamento de funcionários públicos e aposentados ou os gastos com fornecedores.

Superávit Secundário de Caixa: Se caracteriza quando o investidor (institucional ou pessoa física) consegue que sua receita líquida supere suas despesas. A poupança, medida em percentual nas empresas como margem de contribuição, é direcionada para investimentos com taxas de retorno compatíveis com as necessidades futuras de caixa.

Swap: Troca feita entre moedas diferentes e efetuada entre bancos por meio de um jogo cruzado de escrituras, com concordância prévia e cláusula de resgate (venda com promessa de recompra). Saca-se sobre um crédito, e o direito ao saque é reconstituído em seguida, em curto espaço de tempo.

Dicionário de Economia – Letra T

Taxa Básica: Taxa de juro anual fixada por um banco, que serve de referência para o cálculo das diferentes condições oferecidas por esse banco.

Taxa de Juros: É o custo do dinheiro no mercado. O BACEN é o órgão regulador da política de juros. Quando a taxa de juros está alta é sinônimo de falta de dinheiro no mercado. Ao contrário, quando está baixa, é porque está sobrando dinheiro no mercado. A taxa de juros é um dos mais importantes indicadores de política monetária.

Taxa Over: Veja TAXA SELIC.

Taxa SELIC: É a taxa que reflete o custo do dinheiro para empréstimos bancários, com base na remuneração dos títulos públicos. Também é conhecida como taxa média do over que regula diariamente as operações interbancárias.

TBAN: É o teto das taxas de juros no mercado. nas operações entre instituições financeiras. O percentual é fixado pelo COPOM.

TBC: Taxa Básica de Juros do BACEN. É o piso das taxas de juros no mercado. O percentual é fixado pelo COPOM.

Tendência: Movimento de longa duração que afeta a evolução de um fenômeno.

Teoria Quantitativa da Moeda: Teoria segundo a qual o nível dos preços é determinado pela quantidade de moeda em circulação, e pela sua velocidade de circulação.

Títulos Públicos: São papéis lançados pelo Governo, podendo ser do Tesouro Nacional ou do BACEN.

Títulos do BACEN: Emitidos com o objetivo de fazer política monetária, ou seja, controlar o volume de dinheiro em circulação no sistema financeiro.

Títulos do Tesouro Nacional: São papéis emitidos principalmente para cobrir rombos no OGU.

TJLP: Taxa de juros de longo prazo. É a taxa utilizada pelo governo na correção de seus papéis. É também utilizada como indexador básico de contratos de financiamento do BNDES.

Transação: Todo ato por meio do qual uma unidade econômica manifesta sua participação na vida econômica.

Transações Correntes: São as operações do Brasil com o exterior, incluindo receitas obtidas com exportações de mercadorias; gastos com importação; pagamentos de juros da dívida externa; seguros e fretes; e transferências unilaterais.

Transferências Unilaterais: Conta composta por todas as doações e remessas de dinheiro para o país não relacionadas com operações comerciais, como o dinheiro mandado por brasileiros que moram no exterior.

Tribunal de Contas: Tribunal, no âmbito da administração das finanças públicas, encarregado do controle das contas das coletividades locais.

Dicionário de Economia – Letra U

Underwriters: Instituições financeiras altamente especializadas em operações de lançamento de ações e debêntures no mercado primário.

Usura: Prática que consiste em cobrar taxas de juros superiores às habituais ou às permitidas por lei, por ocasião de um empréstimo.

Utilidade: Qualidade daquilo cujo uso é apreciado pelo agente econômico. A noção de utilidade é uma das noções elementares da economia, como a de valor ; porém, seu conteúdo tem sido analisado de modo diverso por sucessivas teorias, sendo seu vínculo com o valor diferentemente apreciado.