CAMPANHA DO COFECON ENALTECE A IMPORTÂNCIA DO ECONOMISTA

Quando a crise chega, o economista já está em ação.

Muitas pessoas podem ser surpreendidas por uma crise, mas não os economistas. Usando o instrumental da Ciência Econômica ele pode prever situações antes que aconteçam e planejar soluções para o momento mais adequado.

Economista, mantenha o registro profissional em dia e continue planejando o melhor futuro para o nosso país.

Câmara de Porto Velho aprova criação de Comissão de Desenvolvimento Econômico

O Presidente do Conselho Regional de Economia, Economista Noel Leite da Silva, observa que a criação da referida comissão de Desenvolvimento Econômico é um marco positivo para Porto Velho, o qual possibilitará diversos debates, contribuições e ações em prol do desenvolvimento econômico de Porto Velho. Na oportunidade, o Presidente dos Economistas, Noel Leite da Silva, parabenizou os nobres Vereadores por tal sensibilidade e importância com a questão do desenvolvimento econômico, e de pronto colocou o Conselho Regional de Economia de Rondônia a disposição para compor, participar e contribuir com os debates envolvendo todas as matérias relacionadas a economia e desenvolvimento Econômico. O Presidente Noel salientou que teve pessoalmente tratativas sobre o tema com diversos Vereadores, sobre a necessidade de Porto Velho ter uma comissão dessa importância, o qual pôde conversar sobre o tema com os Vereadores; Maurício Carvalho, Edwilson Negreiros, Junior Cavalcante, Isaque Machado e dentre outros, que foram sensíveis ao atendimento dessa questão de tamanha importância para a população de Porto Velho.

RESOLUÇÃO N° 639 – CMPV

Economista de Rondônia, Noel Leite da Silva, é eleito novo Conselheiro Suplente do COFECON.

O Conselho Federal de Economia realizou nesta terça-feira, dia 1º de dezembro, a Assembleia de Delegados-Eleitores, reunindo representantes de cada Conselho Regional de Economia do país para eleger os conselheiros federais, com mandato no triênio 2021-2023. Neste ano, o processo ocorreu de forma eletrônica, pela plataforma Zoom. O presidente do CORECON-RO, economista Noel Leite da Silva, com 228 votos, foi um dos eleitos ao pleito como Conselheiro Federal Suplente do Cofecon, com mandato no triênio 2021-2023.

“Alcançar essa vitória só vem reforçar que estamos trabalhando no caminho certo em prol da classe dos economistas. É um cargo de grande responsabilidade, mas estou muito feliz em poder representar Rondônia no Conselho Federal de Economia e batalhar ainda mais pela bandeira dos economistas, afirmou o economista.”

Fonte: CORECON-RO

Eleições 2020 – Acompanhamento

As eleições do Sistema Cofecon/Corecons começaram às 8h do dia 28 de outubro, e seguem até as 20h do dia 30 de outubro.

A votação ocorre exclusivamente pela internet, por meio do site www.votaeconomista.org.br , onde também estão disponíveis informações sobre as chapas de cada estado.

O Cofecon disponibilizou um manual para ajudar quem não recebeu a senha, precisa trocar a senha provisória ou está com dificuldades na hora da votação. É possível também acompanhar o monitor de votos em tempo real: https://cofeconprod.blob.core.windows.net/site/monitor.html

Participe e exerça o direito ao voto!
#VotaEconomista

 

Campanha de Conciliação com Inadimplentes

O Conselho Regional de Economia da 24ª Região / Rondônia, com possibilidade de habilitar desimplantar a regularização da situação financeira, oferecer condições de parcelamento, com manutenção até 100% (cem por cento) dos juros e multa para profissionais economistas e empresas.

 

Para os devedores que efetuam ou pagam o valor total do débito, após corrigidos pelo INPC / IBGE, com vista ou até 30 (parcelas) parcelas fixas, usando o Termo de Confissão de Dívida, ficam concedida uma multa e multa, conforme segue:

 

I – Pagamento à vista com 100% (cem por cento) de desconto sobre multa e juros;

 

II – Pagamento de 02 (duas) a 05 (cinco) parcelas fixas, com 90% (noventa por cento) de desconto sobre multa e juros;

 

III – Pagamento de 06 (seis) a 10 (dez) parcelas fixas, com 80% (oitenta por cento) de desconto sobre multa e juros;

 

IV – Pagamento de 11 (onze) a 15 (quinze) parcelas fixas, com 70% (setenta por cento) de desconto sobre multa e juros;

 

V – Pagamento de 16 (dezesseis) a 20 (vinte) parcelas fixas, com 60% (sessenta por cento) de desconto sobre multa e juros;

 

VI – Pagamento de 21 (vinte e uma) a 25 (vinte e cinco) parcelas fixas, com 50% (cinquenta por cento) de desconto sobre multa e juros;

 

VII – Pagamento de 26 (vinte e seis) a 30 (trinta) parcelas fixas, com 40% (quarenta por cento) de desconto sobre multa e juros;

 

Em nenhuma hipótese terá desconto sobre o valor principal.

 

Nenhuma parcela pode ser inferior a R $ 100,00 (cem reais), e a inadimplência de 3 (três) parcelas, consecutivas ou não, parcelamento firmado, implicar ou cancelar o pagamento ou parcelamento e pagamento pelo conselho de medidas administrativas e / ou judiciais cabíveis, com cálculo do imposto de renda remanescente nos termos da Consolidação da Legislação da Profissão da Economista.

 

Estas condições tem prazo determinado. Após, voltam às condições anteriores.

 

Não perca a possibilidade de negociação e coloque seu (s) débito (s) no dia. Para usufruir dessas condições entre contato com o CORECON-RO, através dos e-mails corecon-ro@cofecon.org.br / coreconro@gmail.com , telefone (69) 3224-1452 ou 99370-8668 (WhatsApp).

 

Esta é a sua oportunidade de regularizar junto ao seu Conselho de Classe.

A CRISE IMPÕE AS REFORMAS PRÓ-MERCADO

Silvio Persivo

 

A quarentena prolongada, realizada em quase todos os países do mundo, é um grande erro e que irá custar muito sacrifício de todos. É preciso ver que a crise de saúde do novo coronavírus não é uma questão binária, como erroneamente, está colocada de “fique em casa” ou saía. É um problema muito mais complexo na medida em que a própria Organização Mundial de Saúde-OMS define saúde como “um estado de completo bem-estar físico, mental e social e não somente ausência de afecções e enfermidades”. Quando, como muitas pessoas fazem, criminalizam as pessoas que não ficam em casa, como “se colocassem a minha saúde e a da minha família em risco” assumem, sem a menor percepção ou análise, a visão de que somente as parcelas ricas da população tem direitos, ou seja, as camadas mais pobres, os que precisam diariamente ir buscar seu sustento, devem se subordinar aos que podem ficar em casa e, mais, que cabe ao estado resolver a questão de como sustentar os mais vulneráveis. A questão é que o próprio estado, no caso brasileiro, já fragilizado pelo assalto ao seus cofres e anos de má gestão, também não se encontra numa condição muito saudável. Assim, por mais que faça, será insuficiente para atender às necessidades imediatas. Acrescente-se que, com a economia parada, a arrecadação cai quase 1/3 do normal. Não por acaso estamos enfrentando a pior queda do produto da história. Economia sem produção é uma economia quebrada.

Os resultados ruins já se fazem ver, pois, a economia brasileira contraiu 1,5% no 1º trimestre de 2020 em comparação com o trimestre anterior, ajustado sazonalmente. E isto quando se mede apenas um trimestre que teve um sexto afetado, a última quinzena do mês de março. Isto nos leva a três grandes problemas de pronto, agora, e depois que passar a pandemia. Em primeiro lugar, um forte crescimento do desemprego, um grande número de falências e como resultado um enorme aumento da pobreza. Então, não há como se ter, nem se pode esperar, um crescimento em V. O que também nos obriga a ter uma ação muito mais rápida para podermos ter uma recuperação. Neste sentido a situação atual nos obriga a ter uma melhor gestão dos gastos, nos impõe, inclusive em termos de governo, a melhorar seus padrões de gerência, a fazer mais com menos recursos. Claramente é premente fazer as reformas essenciais para implantar um conjunto de reformas pró-mercado, como a fixação de regras claras para os investimentos em infraestrutura, a aprovação do novo marco regulatório do saneamento básico e do setor de gás natural, uma maior abertura comercial, a reforma tributária e uma agenda de concessões e privatizações. Além disto a crise também coloca em evidência a necessidade de mudanças fundamentais nos processos brasileiros que são por demais burocráticos. É preciso, imediatamente, melhorar o ambiente de negócios, permitir que os brasileiros possam ser, efetivamente, empreendedores. É complementar a isto, inclusive, quebrar o monopólio financeiro ao qual estamos submetidos. Se há algum setor que, em, praticamente, nada mudou durante a crise, foi o setor financeiro. Os empreendedores, em especial os micros e os pequenos, precisam de crédito. E o crédito no Brasil, apesar da redução da Selic e dos esforços do governo, continua a ser uma ficção. Nominalmente existe, mas, os tomadores não têm acesso. Sem uma forte concessão de crédito a economia brasileira irá patinar ainda durante muito tempo.

O MERCADO DE TRABALHO NO MUNICÍPIO DE CACOAL-RO

O mercado de trabalho no município de Cacoal-RO

No Brasil, taxa de desemprego atinge 13,7% e é a maior desde 2012.

No município de Cacoal o mercado de trabalho fortalece com a chegada de novas empresas.

 

O mercado de trabalho no Brasil enfrenta inúmeras transformações e desafios, entre eles o desemprego. De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) a taxa de desemprego no Brasil já atingiu 13,7%, ou seja, cerca de 14,2 milhões de brasileiros estão desempregados só neste primeiro trimestre do ano. E os números tende a aumentar se o país não tomar medidas peculiares para melhorar esse índice.  Ainda, com base nos dados da pesquisa, foi constatado que essa é a maior taxa registrada desde 2012.

 

Embora o mercado de trabalho continue a apresentar deterioração, podemos dizer que o município de Cacoal vive um momento histórico com a chegada de novas empresas na cidade. Atualmente, abriu-se vagas para mais de 300 pessoas, isso para trabalhar em apenas duas das novas empresas que estão se instalando no município. Sem mencionar, as pequenas empresas, os contratos de terceirização e o setor da construção civil que estão sempre empregando e disponibilizando novas vagas para o mercado.

 

Também é considerável o número de indivíduos que trabalha por conta própria, e esse número cresceu significantemente nos últimos tempos. Adulto e jovens que não conseguem a oportunidade do primeiro emprego ou que sofre restrições, até por falta de qualificação profissional, desenvolvem meios de conseguir renda extra, como a de vendedor autônomo, por exemplo, e até mesmo, algumas sendo atividades ilegais, como roubos, tráficos de drogas e venda de pirataria, embora os agentes de segurança façam um árduo trabalho com fiscalização para punir essas práticas ilícitas.

 

Portanto, fica claro, que o trabalho em geral, ainda enfrenta grandes problemas, mas que Cacoal, busca integrar empresas para aumentar o índice de emprego, e que já propõem maior atenção e investimento por parte da Prefeitura do Município e do Governo do Estado para a capitação dessas empresas.

 

Ademais, o município de Cacoal tem uma grande variedade de cursos profissionalizantes, a fim de acompanhar a demanda do mercado, com isso, a sociedade Cacoalense possui vantagens de capacitar para o mercado de trabalho, uma vez que, a cidade é polo universitário e referencia de cursos no Estado.

Por NAYARA FERNANDA, economista

O CENÁRIO DA AGRICULTURA NA ATUAL ECONOMIA BRASILEIRA

O cenário da agricultura na atual economia brasileira

Imagem: Anfavea

Nos bons resultados da economia brasileira, os holofotes,vêm do campo.  Atualmente, enquantoas indústrias, o comércio e o setor de serviço patinam sobre as recessões e crise econômica que o país enfrenta, no setor agrícola,o cenário demonstra-se ao contrário, tanto na economia, quando na integridade.

A economia brasileira vive momentos históricos, isso porque, a cada dia deparamos comuma série de episódios políticos, embora alguns especialistas acreditemna tese de que a economia de um país deve ser tratada fora a parte da conjuntura política, ou seja, tem que ser trabalhadaseparada da política, dito isto, nos últimos tempos, fatos e acontecimentos demonstram que essa tese não possui tanta veracidade, ou ao menos, não funcionanoatual modelo do Brasil,já que a economia gira em torno do cenário político,visto comoentrelaçada ao emaranhamento político.

Por outro lado, mesmo o sistema políticodo Brasil está adoecido por uma sangria ferrenha e a economia voltando a estagnar e apresentar índices de paralisação, a agricultura encontra-se no cenário independente eautossustentávelem relação ao desempenho do setor, o queapresenta bons índices de crescimento e ganhos.

Diante deste cenário, não é por acaso que a agricultura é a principal atividade econômica do país e considerada a base sólida da nossa economia. Hoje é o setor que fomenta aeconomia no mercado e graças a seu empenho, em alguns estados brasileiros, a população quase nãopercebe os efeitos da crise, principalmente nos municípios em que a agricultura é responsável pela maior parte do PIB, como o caso dos municípios do estado de Rondônia.

 Por, NAYARA FERNANDA,economista